Paróquia de Moldes

Description level
Fonds Fonds
Reference code
PT/ADAVR/PARC14
Title type
Atribuído
Date range
1846-03-14 Date is certain to 1911-03-31 Date is certain
Dimension and support
46 liv. (0,70 m.l.)
Extents
0.7 Metros lineares
Biography or history
Orago de Santo Estevão

A documentação medieval relativa a Moldes é abundante e bastante clara; na "História Eclesiástica de Portugal", a propósito das vicissitudes por que passariam os templos nas zonas disputadas entre cristãos e muçulmanos na época da Reconquista, Monsenhor Miguel de Oliveira refere que a antiga Igreja de Santa Maria foi destruída e a freguesia despovoada, aquando da invasão sarracena: "venerunt sarraceni cecidit ipso territorio in herematione et fuit ipsa ecclesia destructa. "; é ainda referido que no ano 1001, se dava o seu repovoamento pelos cristãos e a reconstrução do templo, de invocação de Santo Estêvão (e já não de Santa Maria) onde guardaram as relíquias de Santa Maria e de Santo Estêvão. A respeito da igreja do local, reedificada sob a invocação de Santo Estêvão, surge a 26 de Novembro de 1091, uma acesa questão entre o Mosteiro de Arouca e D. Gontina Eriz, senhora da terra de Moldes e vizinhas. O caso foi levado perante o alvazil Sisnando, governador do Condado Conimbricense, que delegou os seus poderes em Cidi Freariz; este reuniu em Alpendurada um concílio para resolver a questão, sentenciando a favor do mosteiro, nas pessoas do abade Godinho e seu irmão Afonso.

Em 1820, principiaram finalmente os verdadeiros esforços da população de Moldes, no sentido da criação de uma freguesia própria, independente da de Arouca; em Setembro de 1844, o Bispo de Lamego, D. José de Moura Coutinho, deu parecer favorável a esta pretensão da população local e por portaria de 31 de Dezembro de 1845, foi então criada a freguesia de Moldes que deixava de fazer parte da freguesia de Arouca, para passar a integrar o concelho com o mesmo nome. Moldes pertenceu a diocese de Lamego ate 1882, ano em que passou a integrar a diocese do Porto.
Custodial history
Esteve na posse da Igreja paroquial até à criação do Registo Civil, em 1911, publicada no Diário do Governo nº 41 de 1911-02-20. Nesta data as paróquias foram obrigadas por lei, a entregar os livros de registos de Batismo, casamento e óbitos às repartições do Registo Civil.

Este fundo esteve na posse do Arquivo da Universidade de Coimbra até ao ano de 1976, já que apesar de ter sido criado em 1965, pelo Decreto nº 46350, de 22 de Maio, o Arquivo Distrital de Aveiro, só viria a dispor de instalações seis anos mais tarde, tendo no ano de 2002 transferido a documentação para as atuais instalações do Arquivo Distrital de Aveiro.
Acquisition information
Incorporações provenientes do Arquivo da Universidade de Coimbra 1976-04-14, e

da Conservatória do Registo Civil de Arouca em 2012-01-20.
Scope and content
Constituídos por: baptismos, casamentos e óbitos.
Arrangement
Organização funcional. Ordenação cronológica dentro das séries.
Access restrictions
Comunicável.

Por razões de preservação, a documentação digitalizada e/ou microfilmada é consultável apenas através da respetiva cópia digital ou microfilme.
Conditions governing use
Regulamento de Reprodução de Documentos, Despacho n.º 6852/2015, Diário da República, 2ª série, N.º 118 de 19 de junho de 2015.
Language of the material
Por (português)
Other finding aid
Instrumentos de descrição: PORTUGAL. Arquivo Distrital de Aveiro-DigitArq [Em linha].Aveiro: ADAVR, 2016.[Consult. 06 Julho 2016]. Atualização diária. Disponível em URL:http://adavr.dglab.gov.pt
Alternative form available
Existem microfilmes de consulta para os livros n.º 1 a n.º 4
Creation date
1/30/2007 12:00:00 AM
Last modification
8/31/2016 12:14:21 PM