Paróquia de Fornos

Description level
Fonds Fonds
Reference code
PT/ADAVR/PCPV02
Title type
Atribuído
Date range
1573-01-03 Date is certain to 1911-03-31 Date is certain
Dimension and support
65 liv. (1 m.l.)
Extents
1 Metros lineares
Biography or history
Orago de São Pelágio.

Numa doação do ano de 1110 ao Mosteiro de Alpendurada por Elvira Froilaz, indica-se bem a sua situação: "Subtus mons, Serra Sicca discurrentem Rivulo Pávia terrirorio Portumgalie", a Serra Seca designava o conjunto de serrania que vinha do sul, do monte de Gamarão.

A dominar a confluência referida eleva-se a colina de Crasto que dá o nome de Castelo ao disperso populacional que serviu no século passado à honorabilização do concelho, juntando-se à designação antiga de Paiva a de Castelo.

Um pouco abaixo desta povoação, junto ao rio Douro, existe um lugar denominado de Castelo de Baixo onde terá havido outro povoado castrejo. Pinho Leal no seu "Portugal Antigo e Moderno" fala mesmo de um dólmen que se destacava pelas suas enormes proporções e "( ..) se encontrava na povoação do Castelo, na freguesia de Fornos, junto ao rio Douro". Do mesmo não restam hoje quaisquer vestígios, mas segundo o mesmo autor era constituído por "(...) sete pedras dispostas verticalmente, que pareciam calhaus arredondados, devido ao atrito causado pela corrente".

Nas Inquirições de 1258 a freguesia surge como término de Paiva e segundo a informação prestada pelo pároco João Martinho, a apresentação do padre à igreja era da responsabilidade da Ordem do Hospital e Cavaleiros. Em 1537 a apresentação já estava a cargo de padroeiros leigos com confirmação do bispo. Em 1758 o pároco era apresentado por D. Manuel de Ataíde Azevedo Pinto, senhor da honra de Barbosa, situada em Arrifana de Sousa.
Custodial history
Esteve na posse da Igreja paroquial até à criação do Registo Civil, em 1911, publicada no Diário do Governo nº 41 de 1911-02-20.

Nesta data as paróquias foram obrigadas por lei, a entregar os livros de registos de Batismo, casamento e óbitos às repartições do Registo Civil.

Este fundo esteve na posse do Arquivo da Universidade de Coimbra até ao ano de 1976, já que apesar de ter sido criado em 1965, pelo Decreto nº 46350, de 22 de Maio, o Arquivo Distrital de Aveiro, só viria a dispor de instalações seis anos mais tarde, tendo no ano de 2002 transferido a documentação para as atuais instalações do Arquivo Distrital de Aveiro.
Acquisition information
Incorporação proveniente do Arquivo da Universidade de Coimbra 1976-04-14, e

da Conservatória do Registo Civil de Castelo de Paiva em 1991-12-04 e 2015-10-15.
Scope and content
Constituído pelos registos de batismos, casamentos e óbitos, celebrados na paróquia de Fornos.
Arrangement
Organização funcional. Ordenação cronológica dentro das séries.
Access restrictions
Comunicável.

Por razões de preservação, a documentação digitalizada e/ou microfilmada é consultável apenas através da respetiva cópia digital ou microfilme.
Conditions governing use
Regulamento de Reprodução de Documentos, Despacho n.º 6852/2015, Diário da República, 2ª série, N.º 118 de 19 de junho de 2015.
Language of the material
Por (português)
Other finding aid
ARQUIVO DISTRITAL DE AVEIRO - [base de dados de descrição arquivística]. [em linha]. Aveiro, 2014. Disponível no Sítio Web e no Portal Português de Arquivos. Em actualização.



SECRETARIA DO ESTADO DA CULTURA, ARQUIVOS NACIONAIS/TORRE DO TOMBO, INVENTÁRIO DO PATRIMÓNIO CULTURAL MÓVEL, inventário colectivo dos registos paroquiais, vol.1 - Centro e sul, [Lisboa], 1993,ISBN 972 - 8107-08-0.
Alternative form available
Existem microfilmes de consulta para os livros n.º 1 a n.º 8
Creation date
12/11/2009 00:00:00
Last modification
18/07/2016 10:19:25